A chegada do coronavírus aumentou a busca por saúde e prevenção

Muita coisa mudou um ano após a chegada do novo coronavírus ao Brasil. No entanto, um resultado positivo é que mais atenção está sendo dada à saúde e à prevenção de doenças. Além do uso de máscaras e álcool gel, as pessoas são cada vez mais estimuladas a se cuidar proativamente, em todas as áreas – física, mental e emocional.

O aumento da depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático causado pela pandemia colocou a saúde mental em primeiro lugar, juntamente com a necessidade de acesso mais amplo a recursos para melhorar o bem-estar geral. Como resultado, os cuidados com a saúde mental, por exemplo, deixaram de ser tabu e se tornaram uma questão publicamente aceita e discutida.

“A esperança é que essa ênfase mais focada na saúde, seja ela física, mental ou emocional, idealmente dê origem a uma população mais forte e resiliente, capaz de lidar com futuros inevitáveis. Independentemente de enfrentar outra pandemia global, investir intencionalmente em a saúde, sem dúvida, torna as pessoas mais bem equipadas para enfrentar os inexoráveis ​​desafios da vida ”, comenta Priscila Siqueira, CEO da Gympass no Brasil.

Para isso, a Gympass realizou uma pesquisa para analisar os dados de seus usuários que realizam atividades voltadas para a saúde física e mental desde março de 2020, e conseguiu listar algumas tendências que suportam mudanças de comportamento no segmento de bem-estar durante a pandemia. Verificação de saída:

1. Tendências na atividade física:

• Profissionais comprometidos

Diante das paralisações obrigatórias em academias e estúdios, os praticantes de atividade física regular foram obrigados a encontrar novas formas de se exercitar dentro ou fora de casa. Aulas ao vivo, sessões com Personal Trainers online e a venda de aparelhos de ginástica para casa dispararam no Brasil. Os dados mostraram que os usuários altamente ativos permaneceram ainda mais ativos do que antes da pandemia. Na comparação março-dezembro de 2019, houve ligeira alta de 0,7%.

• Não praticantes

Para indivíduos menos ativos, ou aqueles que não praticavam regularmente atividade física com o Gympass antes do início da pandemia, a plataforma teve um aumento de 20,8% na média semanal de uso da plataforma. A atividade mais procurada no Brasil por esse grupo foi o treinamento funcional.

“Eu, uma pessoa extremamente sedentária, saí da minha zona de conforto e me exercitei todos os dias”, comenta Tyellen dos Reis, colaboradora da FASA Montes Claros / MG, que ainda avalia que melhorou sua saúde. “Estou muito satisfeita, me sinto melhor, mais calma e mais animada para continuar minhas atividades”.

Na verdade, as demandas do trabalho remoto, em paralelo ao fechamento de academias e estúdios, proporcionaram oportunidades para as pessoas treinarem em horários diferentes, de forma mais ágil. Os horários de treinamento mudaram: as pessoas passaram a avaliar melhor suas rotinas para aproveitar ao máximo o dia. As reservas de aulas aumentaram 43% às 10h, 35% às 18h e 100% às 19h. Também houve mudanças na preferência pelos dias da semana. De março de 2020 a janeiro de 2021, o treinamento de sábado aumentou 41% globalmente. A demanda por treinamentos aos domingos cresceu 111%, em relação ao mesmo período do ano anterior.

2. A saúde mental é o centro das atenções

A gravidade e a duração da pandemia impulsionaram uma mudança generalizada nos cuidados de saúde mental. O medo do vírus, a preocupação com a família e os amigos e a impossibilidade de se reunir em grupos afetaram muito a mentalidade coletiva. À medida que os níveis de estresse aumentavam, a depressão, a ansiedade, a solidão e os sentimentos de desesperança também aumentavam.

De acordo com “The COVID-Era Fitness Consumer” da International Health, Racquet and Sportsclub Association (IHRSA), uma associação que representa instalações de saúde e fitness, academias, spas, clubes esportivos e fornecedores em todo o mundo, 76% dos membros estão ansiosos com sua saúde em geral, e 60% deles se sentem mais estressados ​​desde o início da pandemia.

Como resultado, as terapias virtuais – seja por câmera ou texto – cresceram consideravelmente. De acordo com a pesquisa Gympass, 35% dos usos em 2020 foram de usuários que acessaram parceiros de saúde mental da plataforma. De março a dezembro, o uso dessas soluções aumentou seis vezes.

O número de usuários que começaram a usar o Calm, o aplicativo número um no mundo da meditação, aumentou 115% no final de 2020. Mais homens começaram a usá-lo. Além disso, também houve um aumento no uso da plataforma por pais e filhos, evidenciando a disseminação do estresse devido à quarentena.

No lugar do aumento tradicional de exercícios em janeiro, mais usuários baixaram aplicativos de parceiros para meditação, sono e terapia pela primeira vez. Os usuários atuais desses aplicativos também mostraram maior atividade. Desde março de 2020, registrou um crescimento de 166% no uso dos aplicativos de seus parceiros.

3. Maior gerenciamento de estresse versus ansiedade

Embora a saúde mental continue na vanguarda em 2021, a ansiedade crescente experimentada no início de 2020 parece ter diminuído um pouco. Os dados de Calm também mostraram que, à medida que a pandemia progredia, os usuários começaram a mudar sua preferência por práticas de meditação. Durante 2020, meditações para estresse e ansiedade mostraram uso semelhante; mas, ao final do ano, as meditações para estresse tiveram um aumento de 285% nas audições.

4. O valor da saúde holística

Esforços proativos para melhorar a saúde física e mental são de fato valiosos no apoio à saúde pública e na melhoria da qualidade de vida da população. Chamada de “o renascimento do autocuidado” pelo Global Wellness Summit, essa abordagem mais deliberada e holística do bem-estar, que integra esforços preventivos, bem-estar e saúde, é uma forma poderosa de fortalecer a saúde coletiva.

“Se somarmos todos os produtos digitais, incluindo aulas ao vivo, apps de bem-estar e personal trainers, tivemos mais de 2 milhões de check-ins em 2020. Portanto, esses números confirmam a tendência de um comportamento de cuidado mais híbrido e holístico com saúde física e mental daqui para frente. Mas vale ressaltar que as soluções digitais são complementares e não substitutas ”, finaliza Priscila.

Nesse sentido, as opções virtuais tendem a aumentar o mercado consumidor. Aqueles usuários que por algum motivo ainda não se sentiam à vontade para ir às academias e estúdios, agora, porém, conseguem iniciar uma rotina de treinamento e cuidado com o corpo e a mente dentro de casa, conseguindo passar por aquele difícil período de adaptação entre as saídas. fazer exercícios e torná-los um hábito prazeroso.

Priorizar a saúde física e mental para melhorar o bem-estar geral dá às pessoas mais forças para se adaptarem de forma mais eficaz aos desafios e ao estresse que caracterizam a vida hoje.

Veja também:





Marcelo Queiroga é recebido com protestos na USP

  • separador

Source