Agricultor viu carro em roça antes de assalto em Criciúma


Maurício Varmelin conta que há três dias observou que um veículo estava na região “monitorando” o local onde os carros estavam abandonados

Na noite de sábado (28), a pacata Nova Veneza, no sul de Santa Catarina, nem imaginava que, três dias depois, veria seus moradores em portais, jornais e televisões do país. A surpresa “mídia” veio depois que 10 carros de luxo foram abandonados em uma fazenda após o maior assalto da história do estado.

Carros usados ​​no crime foram encontrados abandonados em uma fazenda em Nova Veneza – Foto: Anderson Coelho / ND

Depois de aterrorizar o Centro de Criciúma e roubar cerca de R $ 80 milhões, os criminosos pegaram um trem para a cidade vizinha e abandonaram seus veículos em uma plantação de milho na propriedade de Maurício Varmelin.

O senhor de 74 anos viu a fazenda ser “invadida” primeiro por criminosos, depois pela polícia, que trabalhou por horas para retirar os veículos escondidos no meio da plantação.

Mas, antes mesmo de todo esse movimento, o agricultor diz que viu, na noite de sábado, uma atitude muito desconfiada e que, agora, começa a fazer sentido.

“Eu estava olhando para o caminhão de energia, que estava consertando uma rede em casa, e nele veio um carro, chegou e passou perto. O carro ficou olhando por cerca de 10 minutos e saiu ”, lembra.

Ele conta que a “observação” aconteceu por volta das 22h. Para ele, o local estava sendo monitorado para a ação que estourou na madrugada desta terça-feira (01).

Nas primeiras horas da manhã, o filho do aposentado saiu de casa para trabalhar, quando percebeu a plantação amassada. “Ele viu o arbusto amassado, entrou lá e encontrou os 10 carros”, conta.

Maurício Varmelin viu um carro em uma plantação três dias antes do assalto – Foto: Anderson Silva / ND

Primo do agricultor, Luiz Carlos Varmelin diz que acredita na premeditação de meses para o crime.

“Tudo parece ter sido muito rápido e, pelas marcas, após saírem dos carros, os bandidos entraram no caminhão e rumaram para o sul. Para nós, aqui, foi uma surpresa, pois tudo foi bem preparado. Isso foi planejado por meses ”, diz ele.

Os criminosos entraram em ação pouco depois da meia-noite. O Centro de Criciúma, que fica a aproximadamente 20 km de Nova Veneza, foi totalmente invadido pelos agressores que atiraram, fizeram reféns e deixaram dinheiro para trás antes de seguirem para a cidade vizinha. Depois de abandonar os carros usados ​​na ação, eles fugiram usando um caminhão.

As forças de segurança catarinenses estão em Criciúma e, em conjunto com policiais e seguranças de outros estados, buscam fiscalizar e identificar criminosos.

.