Antes da cúpula do clima, EUA anunciam corte de 50% nas emissões até o final da década | Mundo

Os Estados Unidos se comprometerão a reduzir pela metade as emissões dos gases responsáveis ​​pelo aquecimento global até o final desta década, segundo nota do governo do país nesta quinta-feira (22).

A redução das emissões é baseada no nível observado em 2005. Os EUA são responsáveis ​​por cerca de 15% das emissões globais.

O presidente do país, Joe Biden, deve anunciar oficialmente a meta no Climate Leaders Summit, evento virtual que acontece nesta quinta e sexta-feira (23) com 40 líderes ou organizações estaduais. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro é um dos convidados para falar sobre o combate às mudanças climáticas.

O vídeo abaixo mostra que políticos e representantes da sociedade civil emitiram alertas sobre o que consideram efeitos danosos da política ambiental do governo Bolsonaro.

Às vésperas da Cúpula do Clima, políticos e entidades alertam para falhas na política ambiental brasileira

  • COMPREENDO: O que é a Cúpula dos Líderes do Clima?
  • Quais os países que participarão do encontro promovido pelos EUA?

A nova meta dos EUA é quase o dobro da anterior, que havia sido definida por Barack Obama – em 2015, o país havia se comprometido a cortar as emissões entre 26% e 28%.

Para atingir esse objetivo, o governo vai analisar como cada setor da economia pode reduzir a poluição. Haverá metas para outros níveis de gestão, como governos estaduais e prefeituras. Devem ser impostos objetivos também ao setor privado.

As medidas precisarão ser aprovadas pelo Congresso do país.

O plano dos EUA é que até 2035 toda a geração de energia seja neutra. Depois de mais 15 anos, em 2050, o país inteiro não emitirá gases que aquecem o globo (ou seja, os Estados Unidos terão atingido a neutralidade das emissões).

EUA querem encorajar outros países a adotarem metas

Os americanos também esperam encorajar outros países a adotar metas ousadas para combater a mudança climática em seus próprios territórios.

Na terça-feira (20), a União Europeia fechou um acordo climático provisório para reduzir em pelo menos 55% as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2030. Além disso, o bloco tem como objetivo atingir a neutralidade das emissões até 2050.

Outros países responsáveis ​​por uma parcela significativa das emissões, como China e Índia, deverão aumentar suas emissões ou mantê-las estáveis ​​na próxima década.

A China é hoje o maior emissor de gases de efeito estufa. O país já afirmou que suas emissões atingirão o pico por volta de 2030. A partir daí, diminuirão para chegar a zero em 2060.

Veja os vídeos mais assistidos do G1

Source