Após o aumento da tarifa, Bolsonaro pergunta: ‘desligue a luz e tome um banho rápido’ – 03/12/2020


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu ao brasileiro que desligasse a luz e se banhasse mais rápido, durante transmissão ao vivo nas redes sociais. O pedido de Bolsonaro chega dois dias depois que o governo anuncia o aumento das tarifas nas contas de energia e define a bandeira vermelha 2 para dezembro.

“Apago todas as luzes do Palácio da Alvorada, não tem por que. Tenho a certeza que vocês que estão em casa podem apagar agora. Pedimos que apaguem a luz para evitar desperdícios, tomem um duche um pouco mais rápido “, disse Bolsonaro. (Assista ao vídeo acima)

Bolsonaro também demonstrou sua preocupação com os reservatórios em níveis baixos. “Esperávamos chuvas no final de outubro e início de novembro, mas elas não vieram. Acho que estão sinalizando chuva para os próximos dias”, disse ele.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu reativar as bandeiras tarifárias nas contas de luz e estabeleceu o nível vermelho 2 para o mês de dezembro. Este é o nível com condições ainda mais onerosas para geração de energia. A tarifa é aumentada em R $ 6,243 por 100 kWh. (quilowatt-hora) consumido.

Em reunião extraordinária, o conselho regulador optou por unanimidade pela revogação do despacho de maio que mantinha as contas na bandeira verde, sem custo adicional para o consumidor, até o final de dezembro por causa dos efeitos da pandemia covid-19.

Questionado sobre o aumento da conta de luz por um de seus seguidores nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro justificou que os níveis dos reservatórios estavam “muito baixos” e que haveria risco de apagões se nada fosse feito.

“A conta de luz vai aumentar. Graças ao PR”, brincou o internauta, em um post no Facebook. Então Bolsonaro respondeu. “As barragens estão (com) níveis muito baixos. Se não fizermos nada, podemos ter apagões. O período das chuvas, que deve começar em outubro, ainda não chegou. Também iniciamos uma campanha contra o desperdício …”, respondeu o presidente.