Avanço da Covid-19 gera aumento de internações, ampliação de leitos de UTI e ativa alerta em Juiz de Fora | Zona de madeira


  • Taxa de UTI de hospitais privados nesta terça-feira em Juiz de Fora chega a 98%
  • Juiz de Fora tem mais de 330 pessoas internadas com a doença

Nesta quinta-feira, o G1 divulgou o boletim municipal de Juiz de Fora, que contabilizou mais de 480 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas. Este foi o maior registro de casos positivos divulgados em um único boletim informativo desde o início da pandemia.

De acordo com a Mesa Gestora da Prefeitura, 302 pessoas deram entrada em hospitais públicos e privados da cidade devido à doença nesta quinta-feira. Desse total, 113 pacientes ocupam leitos em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 189 em enfermarias. Na quarta-feira (2), o número era 334; o maior desde março.

A taxa de ocupação de pacientes internados em UTI de hospitais privados da cidade caiu para 96,19%, mas na última terça-feira (1º), era de 98%. Na rede pública, a taxa de ocupação subiu para 80,71%. Na última atualização, era de 77,15%.

Em uma entrevista com Integração com TV, Clorivaldo Rocha comentou sobre a situação atual de aumento da Covid-19 no município.

“Temos números muito superiores ao pico que experimentamos em julho. É difícil dizer que é uma nova onda ou pico, mas o que temos hoje é o maior registro de infectados e casos de internações por dia, do que tivemos anteriormente. Isso acende uma luz amarela, perto da vermelha “, alertou.

Para o subsecretário de Saúde, a grande ocupação da rede privada precisa ser vista com preocupação. “Tive a oportunidade de contactar a gestão de dois hospitais para perceber que acções estão a tomar para minimizar esta situação e sabia que ambos estavam a tomar medidas de expansão”, disse.

Ainda de acordo com ele, é importante ressaltar que se o privado entrar em colapso, isso se refletirá no Sistema Único de Saúde (SUS). “É preciso entender como anda a área privada porque é preciso preparar uma estrutura na rede pública mesmo pensando nessa possibilidade”, finalizou.

Covid-19: ocupação dos leitos de UTI em Juiz de Fora está quase no limite máximo

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, antes da pandemia, Juiz de Fora possuía 108 leitos públicos de UTI. Durante o período, o A capacidade instalada do Sistema Único de Saúde (SUS) no município foi aumentada em cerca de 82%, chegando a 197.

Nas últimas semanas, a Prefeitura anunciou o aumento do número de leitos de UTI no HPS. Com a implantação de oito novos locais, o hospital passou a contar com 18.

  • Prefeitura anuncia ampliação de leitos de UTI no HPS de Juiz de Fora
  • Prefeito anuncia 14 novos leitos de UTI para Covid-19 em Juiz de Fora

No dia 20 de novembro, o prefeito Antônio Almas (PSDB) anunciou 14 novos leitos de UTI para Covid-19 do Hospital Ana Nery. Na época, a medida foi tomada por causa do aumento de casos da doença e de internações no município.

  • Santa Casa de Misericórdia

Santa Casa de Misericórdia Sede em Juiz de Fora – Foto: Assessoria / Divulgação

Em nota, a Santa Casa de Misericórdia informou que desde o início da pandemia teve uma emergência com fluxo exclusivo para atender casos suspeitos e / ou confirmados de Covid-19 e que os leitos estão em áreas isoladas. Além disso, atualmente já utiliza toda a capacidade física instalada existente para atender às necessidades da pandemia.

“O Comitê Gestor de Enfrentamento à Covid-19 se reúne diariamente, desde março, para gerenciar e otimizar o uso e ocupação dos leitos, além da adoção de outras medidas de contingência em função da nossa capacidade disponível de leitos”, explicou o pessoal local.

Em nota, o Comitê Gestor da Santa Casa ressaltou ainda que ainda é necessário manter distância social, uso de máscara em todos os momentos, higienização das mãos com frequência e, quem puder, permanecer em casa.

O G1 perguntou quantos leitos o site criou desde o início da pandemia, no entanto, a equipe não disse. A Secretaria Municipal de Saúde anunciou que, até as 11h41, desta quinta-feira (3), o local contava com 25 leitos de UTI particulares e 30 do Sistema Único de Saúde (SUS).

Hospital Albert Sabin em Juiz de Fora – Foto: Assessoria / Divulgação

Segundo Albert Sabin, com o aumento dos casos da Covid-19 na cidade, a unidade desenvolveu um plano de contingência para melhor atendimento aos pacientes.

“A instituição trabalha para agilizar o fluxo de atendimento com a abertura de mais dois consultórios na unidade de urgência e emergência para pacientes com sintomas de Covid-19, e com a ampliação da equipe de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem”, divulgou a localização.

De acordo com o hospital, Foram abertos mais cinco leitos de UTI exclusivos para pacientes com a doença e, atualmente, a unidade conta com 17. “Albert Sabin também reforçou a segurança e as estratégias de combate ao coronavírus, com campanhas de conscientização voltadas aos funcionários e a toda a comunidade”, disse a nota.

Desde março, a unidade explica que definiu “novos fluxos de atendimento e separação de áreas, com divisão física do espaço para pacientes suspeitos na Covid-19 e não na Covid-19”.

Além disso, uma ala foi dedicada ao atendimento desses pacientes, preenchida com uma equipe preparada e treinada e ambientes revisados ​​para garantir maior segurança a todos..

Hospital Monte Sinai em Juiz de Fora – Foto: Hospital Monte Sinai / Divulgação

Em nota, Monte Sinai explicou que possui uma estrutura física privilegiada, o que lhe permitiu, desde o início da pandemia, criar dois hospitais dentro de um e com grande capacidade de adaptação em todos os momentos.

Para G1, a unidade destacou que o número de leitos para pacientes com Covid-19 já aumentou e vem equilibrando a ocupação, atendendo pacientes de outras patologias e aqueles afetados pelo vírus, ainda sem atingir o limite máximo.

A equipe não informou o número de locais criados, mas segundo a Prefeitura, o local conta atualmente com 46 leitos privados e oito do SUS.

O Monte Sinai, como hospital de pronto atendimento e pronto atendimento, é um dos que mais recebeu pacientes suspeitos nesses nove meses sem surtos e com eficácia, pois tem atuado preventivamente e com muita estratégia em cada fase, desde Janeiro. O Comitê de Crise já conta com 75 reuniões formais, mais de 350 ações efetivas e soma 175 boletins informativos regulares no quadro, garantindo transparência aos dados ”, finaliza a nota.

Até a última atualização deste relatório, o Hospital da Unimed não havia respondido às questões do G1, mas de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o local conta atualmente com 16 leitos de UTI.

Todos os números informados pelo governo foram retirados às 11h41 de quinta-feira e podem ter mais atualizações.

* Contribuiu com o relatório: Ester Vallim