Bolsonaro confirma nova substituição de auxílio de R $ 300 por ESTE valor


O socorro emergencial no valor de R $ 300 será pago até dezembro deste ano. Logo após o término do pagamento do benefício, o Governo Federal colocará em prática um novo programa. A expectativa é que a Renda Cidadã seja criada até então.

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), disse ao blog da jornalista Andréia Sadi que o programa Renda do cidadão, que pretende substituir o ajuda de emergência em 2021, informou em entrevista recente que o novo benefício seria discutido somente após o segundo turno das eleições municipais. Ou seja, isso já deve estar acontecendo, já que as eleições terminaram no último domingo (29).

Inicialmente, o Governo federal propõe que o novo programa social substitua o Bolsa Família e ajuda de emergência. O texto que cria o programa já foi apresentado. No entanto, devido ao modelo de financiamento, o programa não avançou.

“A questão da Renda Cidadã, se vamos fazer ou não, como e o que será feito, tudo será decidido depois do segundo turno. Se falarmos em posicionamento agora, tudo será usado como eleição. É prudente deixar para depois, assim como as reformas ”, afirmou Barros.

Segundo informações do blog do colunista Sadi, integrantes do governo Bolsonaro buscam uma solução para acabar com a ajuda emergencial, já que isso promoveu um aumento na popularidade do presidente. No entanto, a equipe econômica argumenta que não é possível manter o pagamento da ajuda sem quebrar o teto de gastos.

Qual será o valor do novo programa?

O novo programa deve substituir o Bolsa Família e ser uma espécie de continuação da ajuda emergencial. No entanto, atualmente o governo enfrenta dificuldades em definir a forma de financiamento da Renda de Cidadão. Depois de falar publicamente sobre a Renda de Cidadão pela primeira vez e considerar formas de financiamento, o mercado não reagiu bem e o governo recuou.

Segundo Lauro Jardim, do jornal O Globo, o presidente alertou Guedes sobre o substituto do socorro emergencial. Segundo o colunista, o presidente afirmou que o substituto, que deve começar a valer em janeiro de 2021, não pode ser inferior a R $ 300 por mês, valor atual da ajuda de emergência residual.

Guedes disse ainda que prefere o Bolsa Família a passar para um novo programa

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo manterá o compromisso de limitar os gastos públicos abaixo do teto. Segundo o chefe da carteira, a medida será adotada ainda que seja necessário o abandono do novo programa social, a Renda de Cidadão.

Guedes revelou que o governo não será populista e também garantiu que a reposição do Bolsa Família será fiscalmente sustentável, dentro da regra do teto de gastos.

“Não tem truque”, disse Guedes. Ele ressaltou que maiores transferências de renda poderiam ser viabilizadas com cortes nos subsídios e deduções das classes de renda mais altas. “Não há discussão sobre o teto (dos gastos)”, disse Guedes.

Veja também: 2021 pode começar sem Renda de Cidadão e sem ajuda de emergência