Brasil detecta nova variante do coronavírus semelhante à sul-africana

SÃO PAULO (Reuters) – O Brasil detectou uma nova variante do COVID-19 no estado de São Paulo que é semelhante à vista pela primeira vez na África do Sul, disse o chefe do instituto biomédico Butantan do estado na quarta-feira.

Em entrevista coletiva um dia após o Brasil ter sofrido um recorde de 3.780 mortes em um dia, o presidente do Butantan, Dimas Covas, disse que o paciente com a variante não tinha histórico de viagens à África do Sul.

A variante sul-africana alarmou os especialistas em saúde pública, pois há dúvidas sobre a eficácia das vacinas atuais contra ela. O Brasil também está lutando com sua própria variante local, chamada P1, que parece estar alimentando uma série recorde de infecções.

“É uma variante semelhante à da África do Sul, embora não haja histórico de viagens ou contato com viajantes da África do Sul”, disse Covas. “Existe a possibilidade de que seja uma evolução do nosso P1 em direção a essa mutação na África do Sul.”

O Brasil está atualmente às voltas com a pior fase de seu surto, a segunda mais letal do mundo, depois dos Estados Unidos. O lançamento lento da vacina e a falta de distanciamento social estão contribuindo para o aumento da quantidade de casos no Brasil, que está levando o sistema de saúde do país à beira do abismo.

O Brasil atualmente é responsável por cerca de um quarto das mortes diárias de COVID-19 em todo o mundo, mais do que qualquer outro país.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que tem sido criticado por lidar com a pandemia, assinou na terça-feira uma ordem executiva para desembolsar 5,3 bilhões de reais (US $ 918 milhões) em novos empréstimos para combater a pandemia COVID-19.

Os novos empréstimos serão usados ​​para apoiar o sistema de saúde do Brasil, disse o Ministério da Fazenda. O Ministério da Saúde, que receberá o financiamento, informou que o utilizará em mais de 2.600 postos de saúde públicos, bem como na construção de mais leitos hospitalares.

Reportagem de Eduardo Simões Escrita por Gabriel Stargardter Edição de Brad Haynes e Sonya Hepinstall

Source