Brasil deve retomar testes da vacina chinesa contra Sinovac Coronavirus


SÃO PAULO — Autoridade sanitária brasileira A Anvisa autorizou quarta-feira o reinício dos ensaios clínicos da vacina chinesa contra o coronavírus Sinovac, uma das mais avançadas do país, após suspendê-los no início desta semana.

A Anvisa disse que avaliou novas informações sobre o “evento adverso” no dia 29 de outubro que desencadeou a suspensão na segunda-feira, concluindo que é seguro continuar os testes.

A decisão do Brasil de suspender os testes da vacina chinesa, que tem sido ferozmente criticada pelo presidente Jair Bolsonaro, gerou uma preocupação generalizada entre a comunidade médica do país. Os próprios pesquisadores da vacina, incluindo o Instituto Butantan, respeitado centro biomédico com sede em São Paulo, contestaram a decisão da Anvisa, afirmando que não houve reações adversas graves entre os voluntários e não havia razão para interromper os testes. A imprensa local informou que um voluntário morreu, mas por suicídio.

A Anvisa informou nesta quarta-feira que suspendeu a suspensão após o Instituto Butantan dar mais informações sobre o evento de outubro, incluindo um boletim policial detalhando o caso. Afirmou que não tinha recebido essa informação anteriormente e que encerrou os julgamentos por precaução, agindo de forma puramente técnica.

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, questionou a explicação da Anvisa para a rede brasileira de televisão Globo na quarta-feira. “O Instituto Butantan está prestes a completar 120 anos em fevereiro, ele sabe muito bem como se reportar aos órgãos reguladores – não estamos falando de um amador”.

.