Comissão da ONU aprova remoção da maconha da lista de drogas consideradas mais perigosas | Mundo


A Comissão das Nações Unidas sobre Entorpecentes aprovou nesta quarta-feira (2) o reclassificação de maconha e resina derivada de cannabis a um nível que inclui substâncias consideradas menos perigosas de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na prática, a decisão não elimina a necessidade de os países estabelecerem controles contra a proliferação da droga. A medida também não tem o poder de alterar, por si só, as políticas adotadas por cada nação sobre a maconha e seus derivados.

No entanto, com a reclassificação, a maconha não ocupa mais uma lista de substâncias considerado “particularmente suscetível a abusos e efeitos prejudiciais” e “incapaz de produzir vantagens terapêuticas”.

Nessa lista das drogas mais perigosas, a maconha foi posicionada ao lado de substâncias como a heroína. Agora, cannabis está posicionada entre outros narcóticos como morfina, que a organização também recomenda controlar, mas admite ter menor potencial nocivo.

A decisão segue recomendação da própria OMS e foi aprovada por 27 países. Outros 25 votaram contra e uma representação se absteve. As delegações rejeitaram outras recomendações, como a remoção de todas as listas de alguns componentes da cannabis.

Países que legalizaram o uso recreativo de maconha

Luisina Mezquita abre pacote de maconha comprada em farmácia em Motevideo, Uruguai, em julho de 2017 – Foto: AP Photo / Matilde Campodonico

O uso recreativo da maconha é permitido em países como Uruguai, Canadá e Geórgia, que recentemente aprovaram leis que retiram a pena para quem usa a substância ou que legalizam totalmente o uso da droga.

A legalização também foi aprovada recentemente em partes dos Estados Unidos, onde houve um referendo no mesmo dia da eleição presidencial.

O México, por outro lado, pode ser o próximo a permitir o uso de narcóticos – o Senado aprovou a legalização da maconha no mês passado para fins medicinais e recreativos.

VÍDEOS mais assistidos do G1 nos últimos 7 dias