Covid-19: Curitiba resiste ao bloqueio e vê hospitais privados lotados no pior mês da pandemia


  • Isadora Rupp – @isaraquelrupp
  • Especial da BBC News Brasil em Curitiba

Legenda da foto,

Capital do Paraná viveu em novembro seu pior mês no manejo da pandemia

Após dois meses de relativa tranquilidade, queda de casos e mortes, Curitiba viveu seu pior mês da pandemia covid-19 em novembro. Dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) mostram que os casos ativos mais que triplicaram entre 1º e 30 de novembro, saltando de 3.762 casos para 13.829.

Na capital paranaense, o número de novos infectados com covid-19, que em outubro se mantinha em uma média de 300 por dia, foi de 1.302 nesta terça-feira (1/12), com 13 óbitos pela doença. A taxa de transmissão é de 1,22, ou seja: 100 pessoas com a doença transmitem para outras 122, o que indica uma aceleração da pandemia.

Agora Curitiba, como todas as outras cidades do Paraná, terá toque de recolher. O Governo do Paraná decretou toque de recolher em todo o estado, entre 23h e 5h, a partir desta quarta-feira (2/12). Também é evitada a venda e o consumo de bebidas alcoólicas nas vias públicas.

Mesmo assim, a capital paranaense continuará sem bloqueio.