Dani Calabresa pronuncia-se sob acusação de assédio a Marcius Melhem – Emais


Dani Calabresa ao lado de Marcius Melhem durante evento ‘Dolly’ em 2017 Foto: Pedro Curi / Globo / Divulgação

Dani Calabresa usou seu Instagram nesta sexta-feira, 4, para comentar sobre o acusações de assédio sexual e moral feito para o ator, roteirista e ex-chefe de humor da Globo, Marcius Melhem.

Desde dezembro de 2019, o nome de Dani Calabresa é citado em reportagens sobre atrizes que teriam sido vítimas de Melhem. É a primeira vez que ela fala abertamente sobre o caso.

“Nunca quis ser vista como uma mulher assediada, mas para recuperar minha saúde tive que me defender. Nunca fui à imprensa. Tomei as medidas cabíveis para obter ajuda”, disse ela.

Em seguida, continuou: “Tudo é muito difícil. É assustador, envergonhado, mas temos que lutar pelo respeito e pela justiça. Eles não vão passar. O assédio é um crime!”

Dani Calabresa agradeceu também as mensagens de apoio, Manô Miklos e a advogada Mayra Cotta, além de agradecer a Maria Clara Gueiros: “minha amiga do meio artístico que me apoiou desde o início”.

“Toda minha solidariedade para com as mulheres que estão passando por isso e têm medo de denunciar. A luta que uma mulher precisa lutar para provar que é vítima é impressionante. Denuncie!”, Concluiu.

Confira a íntegra do depoimento de Dani Calabresa a respeito das denúncias de assédio a Marcius Melhem.

Entenda as acusações de assédio de Marcius Melhem

As primeiras reclamações surgiram no final de 2019 e foram negadas por Melhem. O nome de Dani Calabresa foi citado, ao lado de Maria Clara Gueiros, entre os denunciantes, em postagem do então jornalista Leo Dias.

Em março de 2020, ele se afastou do comando do humor da emissora e também de seus papéis como roteirista e ator, citando a necessidade de acompanhamento dos cuidados de saúde de sua filha.

O período inicial de licença seria de quatro meses. Em vez de retornar, no entanto, Marcius Melhem teve seu contrato com a emissora encerrado após 17 anos. No depoimento final, a emissora destacou sua “importante contribuição para a renovação do humor” e não mencionou as denúncias de assédio, o que teria gerado insatisfação em alguns artistas que acompanharam o caso internamente.

Em 24 de outubro, um relatório do folha, trouxe entrevista com a advogada Mayra Cotta, que assessora um grupo de artistas que endossa as acusações contra Marcius Melhem. O nome de Dani Calabresa não havia sido confirmado, até então.

“Havia um comportamento recorrente, de trancar mulheres em espaços e tentar agarrá-las, contra a vontade delas. De insistir e mandar mensagens, inclusive sexuais, para mulheres que ele decidia se iam ser escaladas ou não para trabalhar, se ia ter cena ou não para eles. Colocar em risco a carreira das mulheres que o rejeitavam. Obcecar, perseguir, até. Era um constrangimento sistemático e insistente, muito recorrente ”, relatou na altura.

Pouco depois, em seu Twitter, Marcius Melhem falou publicamente sobre as denúncias pela primeira vez (clique aqui para ler o texto completo). “Diante de acusações tão graves, que de forma alguma cometi, o que posso fazer? Negar. Disponibilizo todas as minhas comunicações que apresentei, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado comigo ao longo dos anos”, disse .

“Mas apesar de abraçar profissionalmente a causa feminista, ainda luto contra o machismo dentro de mim, erro, posso ter relacionamentos que doem. Procuro melhorar e aprender. E queria muito falar sobre isso”, disse, em outro momento .

Nesta sexta, 4, a revista Piauí publicou novos detalhes sobre o caso, após colher depoimentos de 43 pessoas, incluindo vítimas e testemunhas, muitas das quais eram anônimas. Entre as denúncias, há detalhes dos supostos assédios que teriam sido praticados por Melhem e reportados à complacência da emissora, inclusive aqueles feitos a Dani Calabresa.

Também há relatos de medidas que teriam sido tomadas por funcionários do Globo em relação à situação, como sugestão de que Marcius Melhem fizesse terapia após uma denúncia.