Depois de um megassalto em Criciúma, criminosos se esconderam em um chalé alugado em Gramado | Rio Grande do Sul


O imóvel foi alugado por um site de alojamento por temporada, por volta das 17h20. O dono do site, que não será identificado por motivos de segurança, falou com o G1.

Os suspeitos estavam em dois carros e fizeram a reserva até domingo. “Os convidados chegaram ontem [quarta] na tarde depois das cinco [17h]. Eram seis. Eles se comportaram muito educadamente “, disse ele.

A família, que mora nos bastidores, no mesmo terreno, acompanhou a ação da Polícia Civil e se surpreendeu. O proprietário não quis dizer como a reserva foi paga, nem o valor. Segundo ela, quando a polícia chegou, apenas duas pessoas estavam no local. Ela disse que ficou sabendo que os outros quatro já haviam saído, “para comprar celulares”.

Márcio Geraldo Alves Ferreira, conhecido como Buda e integrante da facção do Primeiro Comando da Capital (PCC) de SP, estava no chalé e foi preso pela polícia. Ele é um dos nove suspeitos presos por participar do ataque à agência.

“A polícia arrombou o portão. Eu estava dentro de casa, não pude ver [a movimentação na outra casa]. O marido pediu calma ”, conta.

“No momento estamos um pouco chocados”, resume a mulher. Alugamos há quase 10 anos, nunca tivemos nenhum incômodo com os hóspedes ”, relata.

Polícia prendeu dois suspeitos de ataque a banco em Criciúma em uma hospedaria por um período – Foto: Divulgação

Assim que a polícia entrou na casa da família para fazer buscas, a proprietária se identificou, avisou que tinha um filho em casa e mostrou o comprovante da reserva feita pelos hóspedes no site. As equipes procuraram e deixaram o site. Até a tarde desta quinta-feira (3), eles permaneceram na casa alugada para trabalhos especializados, segundo a moradora.

“Foi um golpe de sorte”, diz o proprietário, que acredita que a polícia “estava fazendo o seu trabalho”. Ela também relata que a polícia já colocou o portão da propriedade de volta no lugar.

A família aluga pelo local há dez anos e, segundo a estilista, nunca teve problemas com hóspedes. “Normalmente alugamos para famílias que vêm passar uma temporada”, pontua. Gramado é um dos principais destinos turísticos do RS.

Marcelo participou de um grupo de seis pessoas, que chegou por volta das 17h desta quarta-feira (2). O proprietário entregou a chave pessoalmente e não suspeitou do grupo. “Eles se comportaram de maneira muito educada. Todos usavam máscaras [para proteger da Covid-19],Como eu”.

Dois dos suspeitos estavam localizados em Gramado, na Serra do Rio Grande do Sul, na manhã desta quinta-feira (3), segundo a delegada da Polícia Civil, Nadine Anflor.

Outros sete foram presos entre a tarde de quarta-feira (2) e a manhã de quinta-feira, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF) em cidades do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Os suspeitos são de São Paulo (8) – incluindo uma mulher de 31 anos – e de Minas Gerais (1).

Na manhã desta quinta-feira, um homem foi preso em uma casa localizada entre os municípios de Morrinhos do Sul (RS) e Três Cachoeiras (RS), às margens da BR-101.

Na terça-feira (01), um galpão usado por criminosos foi localizado pela Polícia Militar na cidade vizinha de Içara, a cerca de 9 quilômetros de Criciúma.

Na última segunda-feira (30), cerca de 30 encapuzados assaltaram a agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma. A ação durou 1 hora e 45 minutos. Pessoas foram feitas reféns e rodeadas por criminosos. Houve bloqueios de estradas e barreiras para conter a chegada da polícia (veja detalhes no vídeo abaixo).

Os criminosos fugiram e parte do dinheiro foi espalhado pelas ruas. O montante levado e abandonado não foi informado. Após a ação, 10 carros usados ​​no roubo foram apreendidos em um milharal de uma propriedade particular em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

Autoridades catarinenses afirmam que este foi o maior ataque da história do estado.

Turma assalta Banco do Brasil no Centro de Criciúma (SC)

VÍDEOS: Assalto em Criciúma

ASSISTÊNCIA E DISPARO EM CRICIÚMA