É uma falsa postagem atribuída a Deltan Dallagnol com críticas a Rodrigo Maia


Uma postagem falsa atribuída ao ex-chefe da Lava Jato se tornou viral nas redes sociais, Deltan Dallagnol, com críticas ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Publicado inicialmente em 25 de março de 2019, esse pedaço de desinformação já foi compartilhado mais de 60.000 vezes e recentemente circulou no Facebook.

Foto: Reprodução

A postagem falsa critica Maia por supostamente pedir cargos e benefícios aos deputados como condição para a aprovação das reformas do governo federal. “Como falhou”, diz o posto fabricado, “passou a criticar o governo e seus principais dirigentes”.

O Estadão Cheques fez uma busca no Facebook e no Twitter do ex-chefe da Lava Jato pelo termo “Rodrigo Maia”, e não encontrou a postagem. A única menção feita por Dallagnol ao nome do prefeito foi para divulgar notícias da imprensa sobre o tratamento no Congresso das diretrizes relacionadas ao exercício do Judiciário, como o Projeto de Lei das Dez Medidas contra a Corrupção e do Abuso de Autoridade.

Dallagnol comentou projetos de lei sobre o trabalho do Judiciário e dos investigadores. Foto: Facebook / @ deltandallagnol / Reprodução

Procurada, a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal no Paraná confirmou que o Ministério Público não postou. “Presumimos que foi uma montagem ou que foi postada por um dos falsos perfis atribuídos ao promotor que ainda existem hoje ou existiram em algum momento”, disse ele em nota.

Deltan Dallagnol ganhou destaque por liderar a equipe de advogados que realizou a Operação Lava Jato. Como resultado, ele se tornou alvo de desinformação que usaram mal seu nome. O promotor alertado sobre “perfis falsos” com sua imagem em outubro de 2018.

O Estadão Cheques já verificado versões adulteradas de conversas entre Dallagnol e o ex-juiz federal Sérgio Moro.

Este boato foi verificado por estar entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e dados sobre a sua viralização em parceria com a rede social. Quando nossas verificações descobrem que as informações são enganosas, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Os usuários de redes sociais e administradores de páginas recebem notificações se postarem ou compartilharem postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado para qualquer pessoa que queira postar conteúdo que foi previamente sinalizado como falso.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook é obter a certificação de Rede de checagem de fatos internacionais (IFCN), que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige que as entidades certificadas assinem um código de princípios e assumir compromissos em cinco áreas: não partidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência de financiamento e organização; transparência da metodologia; e uma política de correção aberta e honesta. O compromisso com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.