Em meio à disputa pela vacina, aprovação do Bolsonaro segue estável, afirma Datafolha


SÃO PAULO – A aprovação do presidente Jair Bolsonaro segue estável e no melhor nível desde o início de seu mandato, segundo pesquisa Datafolha divulgada domingo. A pesquisa foi realizada entre os dias 8 e 10 de dezembro, com 2.016 pessoas entrevistadas por telefone.

Segundo a pesquisa, 37% consideram o governo de Bolsonaro excelente ou bom. Outros 32% avaliam como ruim ou péssimo, dois pontos percentuais a menos que na última pesquisa, realizada no final de agosto. Finalmente, 29% acreditam que o mandato de Bolsonaro tem sido regular, uma flutuação positiva de dois pontos em comparação com quatro meses atrás.

Ficha de dados:Número crescente de brasileiros que não pretendem receber vacina contra Covid-19

As duas variações ficaram dentro da margem de erro, que é mais ou menos dois pontos percentuais.

Apesar da maioria dos eleitores aprovar o governo, Bolsonaro tem a pior avaliação de um presidente neste momento de seu mandato desde Fernando Collor, que em 1992 tinha apenas 15% de aprovação.

Pesquisa Datafolha, realizada em dezembro de 2020, com avaliação do governo Jair Bolsonaro Foto: Editoria de Arte

A pesquisa indica que, até o momento, Bolsonaro não teve sua aprovação afetada pela disputa envolvendo a imunização da população contra a Covid-19. O governo federal está tentando apresentar um plano nacional de vacinação para Covid-19, que foi contestado por pesquisadores. Até o momento, não existem imunizações aprovadas pela Anvisa, nem com doses adquiridas pelo Ministério da Saúde.

Entrevista: ‘O PT terá que dialogar com o centro’, diz Wellington Dias, governador do Piauí

O governo federal também vem enfrentando o plano do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), desafiado por Bolsonaro. Doria planeja iniciar a vacinação no estado a partir de 25 de janeiro com o CoronaVac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, projetava inicialmente a autorização de qualquer vacina apenas para março, mas depois recuou. Bolsonaro, por sua vez, se recusou publicamente a comprar doses de CoronaVac.

Paralelamente ao cabo de guerra travado pelo governo federal em relação à vacinação contra a Covid-19, Bolsonaro declarou, nesta quinta-feira, que o país viveria um “pequeno fim da pandemia”, afirmação que contradiz a realidade exposta por os números e curvas de contaminação. Na semana passada, 21 estados e o Distrito Federal registraram aumento no número de mortes.

Coronavírus: Brasil supera 180 mil mortos por Covid-19, pior cenário projetado pelo Ministério da Saúde

Segundo o Datafolha, a aprovação do presidente é dividida principalmente em termos geográficos, mas de forma diferente da tradicional. Em vez de uma divisão entre regiões, há uma divisão entre o interior e as áreas urbanas. Sua rejeição é de 40% nas regiões metropolitanas, mas 26% nas cidades do interior.

De acordo com o levantamento, a reprovação de Bolsonaro no Nordeste está em patamar semelhante ao do restante do país. 34% dos eleitores da região consideram seu mandato ruim ou terrível.

Apesar da avaliação estável, a maioria dos eleitores ouvidos acredita que o presidente fez menos do que se esperava dele quando foi eleito: 55%.