Gangue que atacou Cametá perdeu um cofre e não tirou nada de banco, diz governador do Pará | Para


O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), disse nesta quarta-feira (2) que a quadrilha que roubou uma agência do Banco do Brasil em Cametá perdeu o cofre e não levou nada do banco.

“A quadrilha não deu certo. Na hora da incursão interna, a quadrilha acabou perdendo o cofre e não tirando dinheiro da agência bancária”, disse o governador.

Governador Helder Barbalho chega à agência do Banco do Brasil atacado por criminosos em Cametá (PA). – Foto: Ascom / Governo do Pará

O ataque começou pouco antes da meia-noite desta quarta-feira (2). Pelo menos 10 criminosos foram às ruas da cidade, que fica a 235 quilômetros de Belém, para roubar a agência, que fica no mesmo prédio da prefeitura.

  • FOTOS: Veja imagens do ataque
  • Lembre-se de ataques a bancos no Brasil em 2020

A polícia encontrou dois veículos usados ​​na fuga, mas, até a publicação deste relatório, ninguém havia sido preso.

Assista a entrevista completa do governador do Pará à Globonews

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no sul de Santa Catarina, na madrugada desta terça-feira (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município em ação para roubar uma agência do Banco do Brasil.

A equipe do sistema de segurança estadual, com os batalhões especiais da Polícia Militar, o Núcleo de Inteligência da Polícia Civil e mais dois helicópteros estão na região para contribuir com as buscas e investigações.

“Temos que ficar atentos porque uma quadrilha como essa, ao fazer uma operação desse porte, custa muito dinheiro e temos que estar atentos e alertas na região. Todo o sistema de segurança está em alerta, para evitar de tentar uma nova ação em outros municípios, em outras unidades bancárias ”, disse o governador.

Em Cametá, governador do Pará Helder Barbalho diz que bandido não aceita dinheiro

Em Cametá, governador do Pará Helder Barbalho diz que bandido não aceita dinheiro

Segundo informações do governo estadual, durante o vôo os criminosos deixaram uma caminhonete com explosivos no km 15 da estrada que liga Cametá a Tucurí, segundo o governo. Também foram encontradas dinamites no km-40 da BR-422, ainda em Cametá. Mais adiante, no km 80 da mesma rodovia, mas já no município de Baião, foi encontrado dentro do rio Itaperuçu um carro suspeito de ter sido utilizado na fuga. A polícia acredita que os suspeitos continuaram pela floresta de lá.

Uma equipe do Scientific Expertise Center examinará os veículos encontrados para tentar identificar impressões digitais. Imagens de câmeras de segurança de circuitos de monitoramento próximos também foram solicitadas.

Assaltantes fizeram reféns em Cametá, no Pará. – Foto: Reprodução / Redes sociais

  • Uma quadrilha com pelo menos 10 criminosos agrediu uma agência do Banco do Brasil em Cametá, a 235 quilômetros de Belém.
  • A ação começou por volta da meia-noite e durou cerca de 1 hora e meia.
  • Os bandidos usaram moradores da cidade como escudo humano e atacaram o 32º Batalhão da Polícia Militar do Pará.
  • Um dos reféns morreu.
  • Gang usou armas de alto calibre e explosivos.
  • Os bandidos fugiram de carro e depois em barcos.
  • Ainda não se sabe o que foi levado.
  • Ninguém foi preso.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE, e fica próxima à Ilha de Marajó, no norte do estado. Os bandidos deixaram a cidade pela rodovia Transcametá e seguiram o rio. Segundo a PM, o grupo fugiu em carros e barcos – a cidade fica às margens do rio Tocantins. Não há prisioneiros.

Veja comparação entre os crimes de Criciúma e Cametá:

Infográfico compara agressões em Cametá (PA) e Criciúma (PR) – Foto: Fernanda Garrafiel / G1