Mancini admite Corinthians com pouca moldura no Castelão, mas diz que já tem uma defesa confiável | corinthians


Após empate sem gols com o Fortaleza, no Castelão, na abertura da 24ª rodada do Brasileiro, o técnico Vagner Mancini respondeu às perguntas dos jornalistas e avaliou a partida, que levou o Timão à décima posição, com 30 pontos.

– Acho que o Corinthians fez um jogo com oscilações, teve bons momentos e momentos em que sofreu. Acrescentamos um ponto, é o terceiro jogo sem sofrer golos. A parte defensiva está se ajustando, precisamos nos ajustar do meio para a frente. Em Curitiba tivemos um primeiro tempo ótimo, mas caímos na segunda etapa. Hoje tivemos dificuldade no começo, melhoramos depois, aí o Jô foi expulso.

– Com um a menos, a alma do Corinthians se joga em campo, time que lutou e marcou um ponto. Os ajustes continuam. Tenho um sistema defensivo confiável, preciso me ajustar um pouco mais do meio para frente, encontrar as peças que se encaixam, para que o Corinthians tenha um time mais perto de vencer as partidas.

Vagner Mancini é técnico do Corinthians – Foto: Heber Gomes / Estadão Conteúdo

O treinador reclamou do árbitro de Bráulio da Silva Machado, que não marcou pênalti em Gabriel e mandou Jô para fora depois de checar no VAR. Sálvio Spínola, do Central do Apito, marcaria pênalti.

– A expulsão que eu vi e não vejo agressão. Assim como o pênalti. Chama a atenção porque o atleta de Fortaleza perde a bola e acerta Gabriel. A afirmação do árbitro é que Gabriel se deixou tocar, mas não havia espaço ali. Uma arbitragem que ficou um pouco abaixo do que esperávamos – lamentou.

Mancini disse considerar normal o fato de o Corinthians não ter avançado no campeonato nesta partida.

– Não tenho dúvidas que o setor ofensivo hoje esteve abaixo do que podia mostrar ou do que mostrou em outros jogos, onde tivemos mais volume e fomos mais agressivos. Tivemos uma certa dificuldade no enquadramento ou mesmo na velocidade da equipa adversária. Temos que entender que cada adversário é diferente e que na estratégia que você montou, nem sempre você terá o máximo de todos os atletas.

– Faz parte disso. Futebol você nem sempre domina o seu adversário. Hoje tivemos um jogo complicado. O Fortaleza com muita velocidade, atletas velozes, impõe uma dificuldade natural para quem joga aqui contra eles. O Corinthians oscilou, é do futebol, eventualmente vai acontecer. Temos que entender que teremos atuações diferentes na sequência dos jogos – explicou.

O Timão volta a campo apenas no dia 13 de dezembro. Serão 11 dias de preparação até o clássico contra o São Paulo, no Neo Química Arena.

– É um bom momento para você descansar o jogador, para que ele possa retomar o treinamento com intensidade. É um clássico, há movimento suficiente, não só para vestir a camisa do Corinthians, mas também para enfrentar um rival, onde temos a chance de fazer um belo jogo.

Veja os melhores momentos:

Melhores momentos: Fortaleza 0 x 0 Corinthians pela 24ª rodada do Brasileirão 2020

Veja mais trechos da coletiva de imprensa:

Ausência de Mauro Boselli

– A opção é dependendo do que vejo nos treinos. Boselli ficou um tempo parado por causa de uma contusão nas costas, teve tempo de se recuperar, e nesse período havia outros atletas pela frente. Esta semana havia 28 jogadores disponíveis, a lista de linha veio com 23, então restam alguns atletas. Ele estava entre eles, justamente por ter menos tempo de preparação que os outros.

– Jô vacilou, assim como a equipe. Ele teve dificuldade porque não tivemos a velocidade necessária no primeiro tempo. Na segunda, quando encaixamos, houve expulsão. Ele é um cara alto, ganha as bolas por cima, enfrentamos um time alto, ele tinha que se manter em jogo. Não tive substituição de altura. Era importante usar o máximo que pudéssemos dele.

O Otero pode jogar no meio?

– Fui técnico do Otero no Atlético-MG jogando pelas laterais de campo e ele fez uma ótima temporada. Temos que recuperar Otero e os outros atletas. Não podemos pensar que este ou aquele atleta está derrubado por causa de uma sequência de jogos. Eles são elementos e componentes de um jogo de futebol. Um dia você vê que o sistema defensivo se destacou sobre a ofensiva, como hoje. A equipe teve uma grande oscilação, não podemos colocar isso em cima dos atletas individualmente, o sistema tem que gerar conforto para o atleta desenvolver seu jogo.

Luan e Cazares podem jogar juntos?

– Luan e Cazares podem jogar juntos, mas ainda não. O sistema defensivo do Corinthians já está mais ajustado, a parte ofensiva ainda não. Faltam elementos para que todos tenham um desempenho melhor. Contra o Coritiba teve grande atuação na primeira, mas caiu na segunda. Hoje tivemos oscilações de noventa minutos. Isso é o resultado de uma série de coisas que o futebol mostra. De lá para cá, tínhamos apenas sete dias, por isso é difícil encontrar soluções. É importante que antes tenhamos um time que joga um futebol seguro, que pode ser agressivo com a posse de bola e quando está fora, ser agressivo para roubá-la. Se eu escolher Luan e Cazares, vou contra o lado agressivo agora. A partir do momento em que a equipe se adapta a outra situação, eles podem jogar juntos.

– É uma opção, a meu ver o Gabriel teve uma percepção maior do papel. O Xavier não é um reserva, ele entrou em todos os jogos, é um atleta inserido em todo o processo. Temos desgastes, lesões, todos estão inseridos no contexto.

Lucas Piton à esquerda

– Piton é um atleta que fez um grande jogo contra o Coritiba e hoje fez um jogo relativo no que foi visto pelo Corinthians. Teve bons momentos, mas também flutuou. Torna-se uma opção interessante dependendo da estratégia do jogo. Tenho velocistas no elenco, mas não encontramos espaço em algumas partidas. Pode ser usado no meio e na lateral, sua origem.