# Nós verificamos: A morte de seis pessoas durante os testes de vacinas da Pfizer não está relacionada ao imunizador


Circula nas redes sociais que seis pessoas morreram durante a participação na última fase de testes da vacina desenvolvida pela Pfizer. De acordo com a publicação, a informação foi confirmada pela Food and Drug Administration (FDA), agência americana de regulamentação de alimentos e medicamentos. Através deprojeto de verificação de notícias, Os usuários do Facebook solicitaram a análise desse material. Confira abaixo o trabalho de verificação do Lupa:

“Seis pessoas morreram na fase final dos testes da Pfizer com a vacina COVID-19, revelou a Food and Drug Administration”
Trecho de conteúdo publicado pelo site diariodobrasil.org que, até 9 de dezembro, havia sido compartilhado 120 vezes no Facebook

VERDADEIRO, MAS

As informações analisadas por Lupa é verdade, mas está fora de contexto. De acordo com o documento de avaliação da vacina Covid-19 desenvolvido por Pfizer em parceria com a BioNTech, divulgado na última terça-feira (8) pela Food and Drug Administration (FDA), seis voluntários morreram durante o período de teste (ver página 50). No entanto, nenhuma das mortes foi causada pela vacina. Cerca de 38 mil pessoas participaram dos testes.

Quatro dessas pessoas faziam parte do grupo que recebeu o placebo, não o imunizador contra Covid-19 – e, portanto, a vacina não causou a morte dessas pessoas. As outras duas mortes em participantes também não estão relacionadas aos testes. Um foi causado por parada cardíaca, 62 dias após a vacinação, e o outro devido à arteriosclerose – uma condição na qual os vasos sanguíneos podem endurecer com a idade – três dias após a vacinação. Essas condições não estão relacionadas ao imunizador, de acordo com o FDA.

O relatório da FDA confirmou o eficácia e segurança da vacina desenvolvido pela farmacêutica americana e a previsão é que até o dia 10 a agência autorize o uso emergencial nos Estados Unidos. É o mesmo imunizante cujas primeiras doses passaram a ser aplicadas no Reino Unido em 8 de dezembro.

A avaliação divulgada pelo FDA foi feita pelos próprios cientistas da instituição, com base em dados disponibilizados pelo laboratório. Eles concluíram que a vacina foi 95% eficaz na prevenção de doenças em grandes ensaios clínicos. Eficácia semelhante também foi encontrada entre grupos de idade, gênero, grupos raciais e étnicos e participantes com comorbidades médicas associadas ao alto risco de Covid-19.

Para crianças menores de 16 anos, a equipe do FDA concluiu que não há dados suficientes para determinar se funcionará em crianças. Ele também afirmou que os dados sobre mulheres grávidas e lactantes são insuficientes.

Nota: ‌ este‌ relatório ‌ faz ‌ parte‌ ‌do‌ ‌‌project‌ ‌de‌ ‌verification‌ ‌de‌ ‌news‌‌ ‌Não‌ ‌Facebook.‌ ‌ Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto? ‌ ‌Enter‌ ‌em‌ ‌contact‌ ‌direct‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook.

Editado por: Chico Marés