Pagar via WhatsApp Pay aumenta as chances de golpes e fraudes?

O Banco Central do Brasil (BC) autorizou o funcionamento do sistema de pagamentos do Whatsapp no Brasil. Conhecido como WhatsApp Pay, o recurso foi suspenso em território brasileiro em junho de 2020, logo após seu anúncio, por despacho da própria entidade e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Embora tenha sido autorizado pelo Banco Central, o sistema de pagamentos e transferências ainda não tem data de liberação. Vale ressaltar que, antes do bloqueio, o sistema entrava em ação e permanecia no ar por cerca de uma semana, até que o órgão responsável pela política econômica interveio em seu funcionamento e levou a ferramenta para estudo.

O WhatsApp foi introduzido como um ‘iniciador de pagamento’, uma nova categoria na legislação brasileira. Isso significa que o aplicativo não comandará a conta de pagamento, nem em nenhum momento reterá os fundos que estão sendo transferidos. Esta parte financeira ficará com Visa e Mastercard, parceiros da inscrição.

De acordo com a Federação Nacional dos Bancos (Febraban), desde que as autoridades brasileiras conceberam o novo sistema de pagamento Pix, no ano passado, o WhatsApp já foi usado como uma das principais plataformas de golpes financeiros via Pix.

Atenção aos golpes

O principal deles é a clonagem do aplicativo. Os criminosos enviam mensagem pelo aplicativo fingindo ser de empresas nas quais a vítima está cadastrada. Eles solicitam o código de segurança do WhatsApp, que já foi enviado por SMS pelo aplicativo, informando que se trata de uma atualização, manutenção ou confirmação de cadastro. Para evitar a clonagem, em hipótese alguma passe informações pessoais pelo celular.

Você também pode gostar de: Pix messenger e WhatsApp Pay: os aplicativos devem facilitar o envio de mensagens com pagamentos

Source