Passo a passo para contestar o cancelamento no Dataprev

Pontos chave

  • O socorro emergencial será parcelado em mais quatro parcelas para os brasileiros;
  • Aqueles que tiveram o auxílio negado podem apelar da decisão;
  • O beneficiário deve fazer a consulta por meio do Dataprev para concorrer.

Os beneficiários que não tiveram acesso a esta nova rodada de pagamento de ajuda de emergência podem fazer o contestação da decisão, de acordo com o Ministério da Cidadania. Alguns casos podem ser reavaliados.

Ajuda de emergência 2021: passo a passo para contestar o cancelamento no Dataprev (Imagem: Reprodução / Google)

Antes de realizar este desafio, o trabalhador precisa verificar se seu benefício foi realmente negado.

O pagamento começou a ser feito na terça-feira (6), o calendário segue seguindo o mês de nascimento do beneficiário. Esta nova rodada deve incluir cerca de 40 milhões de pessoas entre abril e agosto

Beneficiários do programa Bolsa Família passarão a receber nova rodada de atendimento emergencial no dia 16 de abril, seguindo o cronograma do programa, como foi feito na primeira rodada de pagamentos.

Ajuda de emergência 2021: passo a passo para contestar o cancelamento no Dataprev
Ajuda de emergência 2021: passo a passo para contestar o cancelamento no Dataprev (Imagem: Ministério da Cidadania)

Como posso consultar a aprovação do auxílio?

Esta consulta está disponível desde o último dia 2, através do Site da Dataprev: https: //consultaauxilio.cidadania.gov.br.

Em seguida, digite seu número de CPF, nome completo, nome de sua mãe e data de nascimento.

Caso o benefício seja negado, é necessário verificar se é uma das situações que permitem a contestação.

Assim, a página terá um ícone “Solicitar disputa”, informando o motivo da negativa.

Ao clicar neste botão, aparecerá a pergunta se o beneficiário realmente deseja apresentar o desafio. E ao confirmar, a contestação será enviada para avaliação da Dataprev.

Razões para disputar

O desafio pode ser feito no portal Dataprev. O prazo para usar esse recurso é 12 de abril.

  • menores;
  • Registre um registro de morte;
  • Não ser um pensionista por morte;
  • Não estar recebendo seguro-desemprego;
  • registro ativo do SIAPE;
  • Sem vínculo RGPS e registro ativo de trabalho intermitente;
  • Não há renda familiar mensal per capita e renda total acima do teto da previdência e / ou assistência;
  • Não fique preso em um regime fechado;
  • Não ser um instigador que ajuda a prisão;
  • preso sem identificação do regime;
  • Sem vínculo com as Forças Armadas;
  • Não resida no exterior;
  • Não recebendo o Benefício de Emergência (BEm)
  • Ter militares na família sem renda identificada
  • CPF não identificado
  • Não ser estagiário do governo federal
  • Não ser residente ou médico multiprofissional no governo federal
  • Transferiram os recursos de ajuda de emergência de 2020
  • Não ser bolsista CAPES, CNPQ, MEC ou FNDE
  • Não ser servidor ou estagiário do Judiciário

Disputar enquanto está sendo pago

O beneficiário pode contestar se recebe uma ou mais prestações e o seu pagamento é cancelado durante as reavaliações mensais.

Valor das parcelas

O valor do benefício será R $ 250 e vai variar de R $ 150 a R $ 375, de acordo com o perfil do beneficiário e a composição de cada família.

  • As famílias receberão R $ 250;
  • Uma família monoparental, chefiada por uma mulher, receberá R $ 375;
  • Quem mora sozinho receberá R $ 150.

Quem vai receber?

De acordo com o novo regras, o auxílio só será pago às famílias com renda total de até três salários mínimos mensais, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. O governo informou que o benefício deve ser pago a 45,6 milhões das famílias.

Quem é beneficiário do Bolsa Família segue com a regra de valor mais vantajosa. A pessoa receberá o benefício de maior valor, seja a parcela paga no âmbito do programa ou o valor do Auxílio Emergencial.

Quem não vai receber?

  1. menores de 18 anos, exceto mães adolescentes;
  2. pessoas com carteira de trabalho assinada ou que recebem algum benefício governamental (exceto Bolsa Família e bolsa-salário);
  3. que não movimentou os valores do Auxílio Emergencial pago no ano passado;
  4. quem teve a Ajuda 2020 cancelada até dezembro do ano passado;
  5. internos e médicos residentes, multiprofissionais e bolsistas ou similares;
  6. que apresentava lucro tributável superior a R $ 28.559,70 em 2019;
  7. que recebeu em 2019 lucros isentos, não tributáveis ​​ou exclusivamente tributados na fonte acima de R $ 40 mil;
  8. pessoas que, em 31 de dezembro de 2019, possuíam bens e direitos em valor total superior a R $ 300 mil.
  9. presos fechados, ou cuja família recebe assistência na reclusão
  10. dependentes no Imposto de Renda 2019 de pessoas classificadas nos itens 6, 7 e 8
  11. ter renda familiar mensal per capita acima de meio salário mínimo
  12. ser residente no exterior.
Jheniffer FreitasJheniffer Freitas

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é graduado em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Atualmente ela é escritora da Portal FDR, produzindo diretrizes sobre economia e finanças populares.

Source