Sá Pinto irrita-se: “Diga-me o telefone dele e pergunte quando devo substituir” – 12/04/2020


Após ter sido eliminado nas oitavas de final da Copa Sul-Americana pela Defensa y Justicia (ARG), com uma derrota por 1 a 0 em São Januário, o técnico do Vasco Ricardo Sá Pinto mostrou muita irritação na entrevista coletiva, que durou apenas 2 minutos e 30 segundos.

A insatisfação foi evidenciada na primeira pergunta feita pelo Esportes, quando questionado sobre o atraso nas substituições, já que a primeira aconteceu aos 31 minutos do segundo tempo, após 20 minutos do gol sofrido:

“Por que me atrasei? Não entendi a pergunta. Substituí-o quando tive que substituí-lo. Então me dê seu número de telefone (jornalista) e eu pergunto quando devo substituí-lo. Continua sendo uma opção ( risos) “.

Posteriormente, ele ouviu a seguinte pergunta feita por “ge”: “O Vasco finalizou 14 vezes, muitas delas no final da partida, quando o Vasco já estava perdendo o jogo. Por que o time tem tanta dificuldade em manter a posse de bola? E por que só saiu aos 28 do segundo tempo (no foi aos 31) diante dessa situação? “.

Sá Pinto então respondeu novamente com irritação:

“Se tivéssemos marcado uma das seis ou sete oportunidades, ninguém falaria sobre isso. Contra zero oportunidades do adversário.”

No discurso, porém, o funcionário da Conmebol pediu ao assessor do Vasco que tirasse o copo d’água que estava sobre a mesa, e o treinador não gostou.

“Não preciso de água aqui. Eu coloco aqui”, disse, colocando-o no chão, e depois perguntando ao membro da Conmebol que fazia as perguntas que eram enviadas virtualmente pelos jornalistas: “Você também está chateado, certo? Não? … “.

Só então concluiu: “Continuo dizendo: o Vasco fez um grande jogo e merecia ter chegado à próxima fase. Este resultado é uma grande injustiça. Repito: o adversário teve zero oportunidades. E tivemos um pênalti que foi roubado de nós “.

Por fim, foi questionado sobre o que fazer para corrigir as oportunidades perdidas de melhorar no Campeonato Brasileiro, onde está na zona de rebaixamento e estava seco:

“Continue a trabalhar para melhorar”.