Telescópio gigante em Porto Rico que aparece no filme de James Bond desmorona


Um enorme radiotelescópio no Observatório de Arecibo em Porto Rico – um dos maiores do planeta – desabou na terça-feira após sofrer danos desde agosto, disseram autoridades, encerrando 57 anos de descobertas astronômicas.




Vista aérea do telescópio já danificado, mas antes do colapso desta terça-feira 17/11/2020 MAXAR TECNOLOGIAS / Divulgação via REUTERS

Foto: Reuters

A plataforma do instrumento de 900 toneladas, que estava suspensa a 137 metros de altura sobre um disco refletor de 305 metros de diâmetro, caiu na manhã de terça-feira, de acordo com a Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos (NSF). Ninguém ficou ferido no incidente, acrescentou a fundação.

O telescópio – que recebia ondas de rádio do espaço – era usado por cientistas de todo o mundo em busca de possíveis sinais de vida extraterrestre, para estudar planetas distantes e encontrar asteróides potencialmente perigosos. Ele também ficou famoso após cenas importantes do filme de James Bond “GoldenEye”, estrelado por Pierce Brosnan.

Dois cabos que sustentavam o disco refletor estavam rompidos desde agosto, causando danos e obrigando as autoridades a fecharem o observatório, enquanto empresas de engenharia mantidas pela University of Central Florida, que administra o observatório, estudavam formas de reparar os danos.

Em novembro, as análises dos engenheiros levaram a NSF e a universidade a concluir que as iniciativas para reparar a estrutura seriam muito perigosas e que teriam que ser demolidas.

A NSF anunciou que as informações iniciais indicavam que os setores mais altos de todas as três torres de suporte do telescópio haviam partido e que, conforme a plataforma de instrumentos desmoronou, os cabos de suporte também desabaram.

Veja também:





Teste traumático de virgindade forçada no Egito

Reuters
Reuters – Esta publicação, incluindo informações e dados, é propriedade intelectual da Reuters. Seu uso ou seu nome é expressamente proibido sem a autorização prévia da Reuters. Todos os direitos reservados.

  • separador